meninos

No seguimento das recomendações do II Fórum Nacional de Transformação que teve lugar na Cidade da Praia em Maio de 2013, da necessidade de maior integração dos variáveis demográficos nas políticas de desenvolvimento.
A pedido do Governo de Cabo Verde através do Centro de Políticas Estratégicas o Escritório Regional do Fundo da População das Nações Unidas (UNFA) para África de Oeste e Central, promoveu um Atelier Regional Técnico sobre o Dividendo Demográfico em África de Oeste e Central. Este atelier teve lugar em Saly, Senegal no dia 20 a 30 de Outubro.

O Dividendo Demográfico (DD) é o crescimento económico acelerado gerado pela diminuição da taxa de mortalidade e de fecundidade de um país, seguida de uma modificação progressiva da estrutura por idade da população: a população jovem dependente (menor de 15 anos) torna-se cada vez mais reduzida em relação à população em idade de trabalho (15 a 64 anos).O Dividendo Demográfico ou “janela de oportunidades” é identificada como uma potencialidade lógica, que pode ser aproveitada ou não pelos países durante o período de transição demográfica. O seu aproveitamento dependerá de vários aspectos, tais como as condições econômicas, institucionais de Estado, de operação do setor financeiro e de comportamento da família, entre outras. Os dirigentes africanos já exprimiram a sua vontade dos seus respectivos países levarem a cabo ações para a realização do DD. Podemos citar as decisões adotadas na Posição Comum Africana e Agenda de Desenvolvimento pós 2015. O objetivo do atelier foi fornecer aos participantes especialistas dos diversos países, as informações e as ferramentas que permitirão a apropriação do cálculo de dividendo demográfico.

O atelier teve participantes de seis países: Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe, Senegal, Guiné Equatorial e Togo. A delegação cabo-verdiana foi composta por 10 especialistas provenientes de diversas instituições, nomeadamente: Centro de Política Estratégica, Direção Nacional do Planeamento, Instituto Nacional de Estatísticas, UNFPA Cabo Verde, Ministério da Educação e Desporto, Ministério da Saúde, Ministério da Juventude, Emprego e Desenvolvimento de Recursos Humanos, Universidade de Cabo Verde e a Rede de Jornalistas para a questão da população.